Artigos de Interesse
Bancos Associados
Capacitação
   Profissional

    Cursos Ativos
    In-Company
Como Associar-se
Diretoria

Estratégia Nacional de
   Educação Financeira

Eventos
Finalidade e Objetivos
Forma de Atuação
Links de Interesse
Programa de Inclusão de
   Pessoas com Deficiência
Reuniões e Comitês
Trabalhos especiais
News ABBI
América Latina é preferida para os investimentos produtivos
Pesquisa com empresas globais aponta quatro latinos entre os mais atrativos

Apesar da desconfiança do mercado financeiro internacional em relação à América Latina, quatro países da região continuam entre os mais atrativos do mundo para os investidores.

Uma pesquisa realizada pela empresa norte-americana de consultoria A.T. Kearney junto a presidentes e executivos de 150 multinacionais (que juntas faturaram US$ 2 trilhões no ano passado) informa que o Brasil é o segundo colocado no ranking dos mais atraentes. O México aparece em 7º lugar, a Argentina está em 11º e o Chile em 23º. Os EUA são os preferidos, e a China vem depois do Brasil.

Os entrevistados dizem que a dimensão do mercado interno ainda é o fator mais importante para a escolha do local onde serão feitos investimentos na indústria e nos serviços. O tamanho da classe média também é considerado fundamental.

Para Umang Soin, diretora do Global Business Policy Council, da A.T. Kearney, o Brasil, que tem um mercado interno menor que o da China, leva vantagem por dois fatores básicos: em primeiro lugar, em razão das oportunidades de investimentos geradas pelas privatizações; em segundo, pela mais antiga convivência do país com as regras do capitalismo.

A pesquisa foi realizada já no contexto da crise asiática (entre fevereiro e abril) e Soin não crê que os efeitos da turbulência causada pela Rússia alterem a preferência dos investidores. "Quem investe na produção não pensa no curto prazo", diz Soin.

Mercado interno torna países latinos opções mais confiáveis para o capital produtivo

O tamanho do mercado interno prossegue como fator mais importante para a determinação do local onde serão feitos investimentos na indústria ou nos serviços. E, desse ponto de vista, a América Latina está bem colocada na preferência das empresas globais: o Brasil é o segundo mercado do mundo entre os considerados mais atrativos por presidentes e executivos de 150 companhias internacionais, que, juntas, faturaram no ano passado US$ 2 trilhões. É o que informa pesquisa feita pela A.T. Kearney, uma das maiores empresas de consultoria do mundo.

Na sondagem, o Brasil perde, como mercado mais atrativo, apenas para os Estados Unidos. O México aparece em 7º lugar, a Argentina em 11º e o Chile em 23º, na relação dos países considerados mais atrativos ao investimento estrangeiro (veja tabela abaixo).

A China, cujo mercado interno é maior que o brasileiro, ficou em terceiro lugar na pesquisa da consultoria. Isso se deveu a dois fatores, segundo a economista norte-americana Umang Soin, diretora da Global Business Policy Council, da A.T. Kearney. Primeiro, as privatizações em andamento no Brasil tornavam o país mais atrativo como oportunidade de investimento. Em segundo lugar, o mercado brasileiro vive, há muito tempo sob regras jurídicas e institucionais, características do capitalismo - o que não é o caso da China.

A pesquisa entre os executivos globais, foi feita entre fevereiro e abril deste ano – já no contexto, portanto, da crise dos países asiáticos -, abrangendo corporações da América do Norte, Europa, Ásia, Oceania e América Latina. Nova sondagem começa neste mês. Soin, porém, não crê que os efeitos da crise russa sobre os mercados emergentes no cenário atual afetem a preferência dos investidores estrangeiros por tais economias.

"Oitenta e três por cento dos entrevistados disseram que o critério principal para alocar recursos é o mercado interno. Quem investe direto na produção não pensa no curto prazo, mas sim em até dez anos adiante", justifica a economista. Por isso, ela julga que são pouco prováveis mudanças na alocação de recursos produtivos nos países latino-americanos incluídos entre os 25 prediletos em abril - sobretudo, Brasil, México e Argentina.

Peso da classe média

O mercado interno brasileiro é de US$ 698 bilhões - equivalentes ao PIB do país em 1997, menos seu comércio externo. O norte-americano é dez vezes maior - US$ 7,1 trilhões. Tamanho e ritmo de crescimento, sobretudo da rica classe média, são o foco dos investidores estrangeiros que alocam recursos na produção dos Estados Unidos, diz Soin. Em economias emergentes, como o Brasil e o México, o tamanho diz muito, mas é o fôlego do mercado consumidor quem diz mais.

Assim, ainda que o Brasil, depois do efeito-vodka, cresça apenas 1% neste ano, como apontam algumas estimativas revistas no final de agosto, o que pesa é o avanço do consumo da classe média nos últimos anos.

E a despeito de atrativos, como a privatização de telecomunicações, serem, a esta altura, fato superado, o que atrai no país é a perspectiva de produzir e vender bens de consumo. Por que? "Por conta, ainda, dos efeitos estabilizadores do Plano Real sobre o mercado interno", diz Soin, de seu escritório em Chicago, nos EUA, onde trabalha.

"O interesse pelo México indica que o Nafta já alcança padrões efetivos de investimento regional", afirma. Os parceiros escolhem investir um no outro.

Mas há detalhes instigantes: indagados, os executivos norte-americanos mais freqüentemente preferiam por dinheiro no Brasil que no México. Já os canadenses, depois dos Estados Unidos, optam por investimentos no México - só depois, no Brasil. Quanto aos mexicanos, escolheram, pela ordem, América Central, Estados Unidos e Canadá.

Redirecionamento

Batizada de Índice de Confiança do Investimento Estrangeiro Direto, a sondagem estreou neste ano. Atestou que os investidores redirecionavam suas simpatias dos emergentes asiáticos para os latino-americanos. O Mercosul, suas 200 milhões de pessoas e US$ 1 trilhão de PIB, era o foco de 70% das escolhas. O Brasil era porta de entrada para investir nos setores primários, serviços públicos e em indústria pesada e de telecomunicações. Os europeus optavam por fazer bens de consumo na Argentina.

Subsidiárias ou "joint venture" são o melhor meio de investir, apontou a pesquisa. E, para rever metas de investimento, a análise de oportunidade de cada um dos projetos é o que pesa - muito menos, influem decisões de caráter macroeconômico. Quanto ao poder de sedução dos incentivos fiscais, o resultado supreenderia, anos atrás, a muito governante latino-americano: só 10% dos investidores globais julgavam-nos decisivos para o destino dos recursos.

Líderes de preferência, Estados Unidos, Brasil, China, Índia e México abrigam metade da população mundial. Não à toa portanto, os quatro últimos integram o rol emergente, que em 1997 absorveu US$ 120 bilhões dos US$ 250 bilhões estrangeiros investidos no mundo.



Fonte: Gazeta Mercantil, 13/09/1998

Por: Maria Helena Passos, São Paulo



Voltar

Política de Privacidade | Mapa do Site