Artigos de Interesse
Bancos Associados
Capacitação
   Profissional

    Cursos Ativos
    In-Company
Como Associar-se
Diretoria

Estratégia Nacional de
   Educação Financeira

Eventos
Finalidade e Objetivos
Forma de Atuação
Links de Interesse
Programa de Inclusão de
   Pessoas com Deficiência
Reuniões e Comitês
Trabalhos especiais
News ABBI
País Cai no Ranking da Competitividade Mundial
Brasil vai da 33ª para a 37ª posição por causa do desaquecimento econômico trazido pela crise asiática
Ao tentar esfriar a economia e responder com a brutal elevação dos juros para conter os efeitos da crise asiática, o Brasil perdeu competitividade no ranking mundial. O país caiu da 33ª para a 37ª posição entre as 46 nações que tem papel-chave na economia do planeta, segundo estudo do Institute for Management Development, com sede em Lausanne, na Suíça. Os Estados Unidos continuam na liderança, pelo quinto ano consecutivo.

A classificação do IMD avalia a capacidade que os países possuem de ampliar a competitividade de suas empresas por meio de entrevistas de 4.314 executivos e estatísticas coletadas por 29 instituições - no Brasil, a fundação Dom Cabral, de Belo Horizonte. O resultado final é uma ponderação obtida pela radiografia de oito setores: infra-estrutura, ciência e tecnologia, gerenciamento, finanças, grau de internacionalização, governo, economia doméstica e povo (o que inclui desemprego, sistema educacional, qualidade de vida e violência).

Entre seus parceiros latino-americanos, o Brasil continua tomando uma surra do Chile que está no 26º lugar (caiu duas posições). Os chilenos mantêm-se na liderança da competitividade no continente, segundo o relatório do IMD, por causa de "um forte programa de desregulamentação e privatização da economia, que incluiu seu sistema previdenciário". A Argentina, que figura em 31º lugar (era o 28º em 97), na avaliação do IMD, "continua a lutar contra um alto desemprego (13%) e com uma reforma no seu sistema tributário mais penosa do que o esperado".

O México, que com a Itália, a Hungria e a Grécia forma o batalhão que ultrapassou o Brasil na classificação, recuperou-se da crise e deve agora "beneficiar-se da força das economias americana e canadense", segundo o estudo. O recuo do Brasil pode ser explicado basicamente pelo desaquecimento de sua economia.

O item economia doméstica foi o que mais pesou. Ele inclui os resultados de sua balança comercial, taxa de câmbio, protecionismo e grau de abertura - pontos vulneráveis e polêmicos dentro do próprio País. Perdeu outros em relação ao crescimento do Produto Interno Bruto e nível de poupança interna. Por isso o Brasil desabou da 25ª posição para a 39ª nesse quesito. Ganha apenas da África do Sul, Polônia, Hungria, República Checa, Colômbia e Venezuela.

A pesquisa do IMD rebaixou também a classificação do País em relação ao item governo, que considera sua eficiência, contas públicas, política fiscal, Justiça e segurança. Ele estava no 16º lugar no ano passado, agora está no 21º. Apesar dos investimentos em infra-estrutura, que se intensificaram, o IMD mostrou que, comparativamente, o País está na 42ª posição, à frente apenas da Colômbia, das Filipinas e da Rússia.

Como avaliação indireta do Plano Real e da ação do governo de Fernando Henrique Cardoso, o IMD aponta que a economia brasileira hoje caminha melhor - era a penúltima no ranking de 1994, com Itamar Franco, pulou para a 25ª posição em 97 e sofreu forte piora em 98. Os ganhos foram progressivos, em todos os anos, de 94 a 98, no que se refere à internacionalização. Quanto ao governo, deu um salto com a gestão de FHC, mas piorou razoavelmente em 98, principalmente graças à elevação dos gastos e do déficit públicos.

Há dois resultados opostos e também constantes. De 94 para cá a infra-estrutura deteriorou-se ainda mais e está entre as piores do mundo. No caminho inverso, progrediu o gerenciamento, que engloba a produtividade, custos do trabalho, eficiência das empresas etc., no qual o Brasil se encontra hoje no 29º lugar. Em 94, estava na 39ª posição.

Por último, após a melhoria inicial com a troca de governo e o Plano Real, seguida de estagnação, está a ciência e tecnologia, em que o Brasil ocupa a 36ª posição.

DESEMPENHO DOS ESTADOS UNIDOS É EXCEPCIONAL

Sete anos de contínua expansão e o menor desemprego em 24 anos colocam país na liderança

Estados Unidos, Cingapura e Hong Kong continuam sendo os competidores mais poderosos do mundo. A supremacia americana está apoiada, segundo o estudo do IMD, na mais sólida economia entre as 46 avaliadas, no mais eficiente e confiável sistema financeiro do mundo, na dianteira científica e tecnológica e escorada na melhor infra-estrutura de todas.

"Está tudo no lugar para a competitividade dos EUA: sete anos de contínua expansão econômica (o terceiro maior período de expansão no século), o desemprego mais baixo em 24 anos, inflação menor em 30 anos e índices de valorização das ações três vezes superior ao de 91", nota Stephane Garelli, do IMD. O estudo aponta os efeitos benéficos da privatização, da desregulamentação, da flexibilidade no mercado de trabalho e dos investimentos maciços em novas tecnologias. "Só um grande crash no mercado acionário ou, no longo prazo, a complacência, podem ameaçar uma situação historicamente excepcional."

Em relação a seus adversários europeus, os EUA também levam hoje considerável vantagem no custo de sua mão-de-obra - US$ 17,7 a hora - ante os US$ 26,4 da Alemanha. Além disso, "Europa do Leste e América Latina continuam a oferecer aos Estados Unidos e Europa uma reserva de trabalho abundante e barata - entre US$ 1 e US$ 3 a hora - próxima de seus mercados domésticos e usada nas atividades industriais", comenta Garelli.

Cingapura, a segunda colocada, lidera todas as demais nações na eficiência de seu governo - pequeno déficit público, política fiscal adequada - e, entre outros aspectos, na formação educacional de sua mão-de-obra. Não é certo que continue assim. "O país foi menos afetado que seus vizinhos pela crise asiática, mas certamente sofrerá o impacto da desaceleração dessas economias", revela o estudo. Hong Kong manteve seu terceiro lugar, embora tenha perdido espaço comparativamente a Cingapura, o que Garelli atribui "às incertezas da transição" para o domínio chinês.

O quarto lugar no ranking da competitividade é uma surpresa: a Holanda. "Seu robusto crescimento (talvez aquecimento), desemprego cadente, e ações inovadoras, como o trabalho de meio período, fazem dela o primeiro exemplo bem sucedido, fora da esfera anglo-saxônica, de um país que fez reformas drásticas para ampliar seu poder de competição", conclui o IMD.



Fonte: O Estado de S. Paulo, 22/04/1998

Por: José Roberto Campos



Voltar

Política de Privacidade | Mapa do Site