Artigos de Interesse
Bancos Associados
Capacitação
   Profissional

    Cursos Ativos
    In-Company
Como Associar-se
Diretoria

Estratégia Nacional de
   Educação Financeira

Eventos
Finalidade e Objetivos
Forma de Atuação
Links de Interesse
Programa de Inclusão de
   Pessoas com Deficiência
Reuniões e Comitês
Trabalhos especiais
News ABBI
Bancos Estrangeiros Cobram Tarifas Menores
Diferença na comparação com as instituições privadas nacionais é de 40% e chega a 70% em relação às estatais
Os bancos estrangeiros cobram tarifas bancárias na média 40% mais baixas que as instituições nacionais privadas e 70% menores que as estatais. Levantamento feito com base em uma cesta de tarifas escolhidas da relação oferecida pelo Banco Central (com dados atualizados até o fim de setembro) de 240 instituições mostra que, em geral, os clientes brasileiros - pessoas físicas ou jurídicas - pagam mais para ser servidos pelos bancos públicos estaduais e, em seguida, pelos federais (Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal).

O Estado selecionou 12 tarifas de serviços para pessoas físicas e outras 13 para jurídicas, como ficha cadastral, talão de cheques, DOC, ordem de pagamento e exclusão do cadastro de cheques sem fundo. No caso das pessoas físicas, a média cobrada pelos bancos de capital externo ficou 33% abaixo da média de todo o setor no País - R$ 54,73 ante R$ 73,30. No caso das pessoas jurídicas, os estrangeiros também têm serviços mais baratos, com preços 53% inferiores aos da média das instituições que operam no País.

As instituições externas têm acesso a recursos a custo menor, estrutura mais enxuta e despesas mais baixas, graças a seu porte, organização e presença limitada no País. Por sua estratégia de mercado (atendimento de empresas e público de renda média ou alta) e disposição da rede de agências, sua clientela é selecionada. Logo, o fato de cobrar menos não significa que seria possível aos correntistas simplesmente migrar para eles - os bancos de capital externo, com raras exceções, não têm a pretenção de atingir o grande público. É por isso que sua vantagem sobre os bancos nacionais privados é ainda maior no relacionamento com as empresas.

Imprecisão- Os dados do BC não dão um retrato exato do mapa de tarifas dos bancos. Não são apontados os serviços mais utilizados, para ponderá-los pelo porte do banco e sua penetração no mercado e, assim, permitir o conhecimento direto dos preços que a maioria dos brasileiros paga quando se torna cliente de uma instituição. Não captam a prática usual de redução gradual dos serviços ou concessão da gratuidade de acordo com o volume de investimentos realizados pelos clientes. Quando compara preços de serviços banco a banco, apresenta o valor máximo, que não é necessariamente o cobrado da maioria dos usuários.

Com essas ressalvas, a média dos preços pode ser um indicador razoável dos custos médios pagos pelos clientes. Na comparação com bancos estaduais, os estrangeiros cobram quase a metade por um talão de cheques. E uma ordem de pagamento em uma instituição privada nacional custa 30% menos que na média dos federais.



Fonte: O Estado de São Paulo, 20/10/1997

Por: José Roberto Campos



Voltar

Política de Privacidade | Mapa do Site