Artigos de Interesse
Bancos Associados
Capacitação
   Profissional

    Cursos Ativos
    In-Company
Como Associar-se
Diretoria

Estratégia Nacional de
   Educação Financeira

Eventos
Finalidade e Objetivos
Forma de Atuação
Links de Interesse
Programa de Inclusão de
   Pessoas com Deficiência
Reuniões e Comitês
Trabalhos especiais
News ABBI
O mundo mudou, e os bancos?
Já há algum tempo vem ficando cada vez mais claro que a função primordial de um banco de

atacado é entender em profundidade as características, riscos e necessidades financeiras dos seus clientes, para não apenas carregar uma porção desse risco no seu balanço, mas,

principalmente, explicá-lo e colocá-lo com investidores, sejam eles outros bancos, administradores de recursos, seguradoras ou pessoas físicas. Simplismente bancar risco "corporate" no

balanço, atividade típica do chamado banco comercial, fica cada dia menos atrativo financeiramente. Por outro lado, apenas entender e colocar risco com terceiros, atividade típica do

chamado banco de investimento, também se torna a cada dia menos viável competitivamente sem uma substancial alocação de capital para bancagem de posições. Em suma, no segmento grandes

empresas, é cada vez mais obsoleta e artificial a distinção entre banco comercial e banco de investimento.

Esse fenômeno é resultante da combinação de três forças: primeiro, uma

acelerada evolução tecnológica, que permite que informação sobre oportunidades de crédito ou investimento chegue de forma eficiente e em tempo real a investidores; segundo, uma evolução de

natureza regulatória, que vai eliminando barreiras para que emissores de um país encontrem investidores de outro e vice-versa; terceiro, o extraordinário aumento dos volumes de poupança

geridos por investidores institucionais que, ao ofertarem crescentemente espaço para "Bancar" risco, pressionam para baixo o "spread" do banco.

A consequência para o banco é óbvia:

passa a ser fundamental buscar eficiência máxima para o seu esforço de entendimento e explicação do risco em empresa-cliente, seja para o benefício de sua decisão de crédito, seja para a de

terceiros.

As evidências são abundantes. Na Europa, muitos dos principais bancos de investimento aliaram-se ou foram adquiridos por grandes bancos comerciais, fazendo do banco de

investimento independente uma espécie quase em extinção. Aqueles que não partiram para aquisições se reorganizaram combinando atividades afins para oferecer aos seus clientes

simultaneamente balanço e capacidade de colocação. No Canadá, o mesmo se verificou.

Mesmo os Estados Unidos, apesar do ainda prevalecente Glass-Steagall Act, não constituem exceção.



Aquisições como as de Alex Brown por Bankers Trust, Dillon Read por SBC Warburg, Robert Stephens por Bank of America e Montgomery Securities por Nations Bank reforçam a tendência de

absorção de bancos de investimento americanos independentes por grandes bancos americanos ou europeus. De uma forma ou de outra, via aquisição ou desenvolvimento "in house", os principais

bancos de empresas praticamente já não têm mais separação entre "corporate commercial banking" e "corporate investiment banking". E, do outro lado do muro do Glass-Steagall Act, os chamados

bancos de investimento independentes cada vez mais buscam oferecer "brigde loans" para transações que lideram e participam de forma mais permanente em créditos para seus principais

clientes.

No Brasil a história se repete, embora retardada por um período longo de taxas altas de inflação que levaram as áreas comerciais dos bancos a depender mais de receitas de

"float" e menos de créditos de longo prazo as áreas de investimento, mais de ganhos de "trading" e menos de comissões de colocação com terceiros de emissões de clientes. Do ponto de vista

regulatório, a legislação do banco múltiplo de l988 já havia criado total condição para o desenvolvimento do conglomerado financeiro moderno:um balanço consolidado forte e com liberdade

para dar crédito e para atuar no mercado de capitais. Liberdade também para trabalhar a sua base de clientes pessoa física oferecendo fundos e oportunidades de investimento. Era preciso, no

entanto, que se materializasse um cenário de inflação baixa e estabilização para que os bancos pudessem voltar a priorizar o entendimento profundo das características e riscos dos seus

clientes, não apenas para bancá-lo, mas também para poder explicá-lo aos mercados de renda fixa e variável.

Vale notar que não é apenas o segmento de atacado que passa por

significativa transformação. A estabilidade leva também o varejo a repensar o seu relacionamento com o cliente. É preciso entendê-lo para lhe dar crédito voluntário e de longo prazo.É

preciso também amortizar o custo de uma rede, física ou virtual, oferecendo produtos de investimento (fundos, previdência), de conveniência (cartão de crédito) e de seguros. E, portanto, o

segmento de varejo de um banco moderno tem de estar estruturado para usar inteligentemente o seu conhecimento do cliente, não apenas para lhe dar crédito, mas para ajudá-lo a poupar,

proteger-se contra riscos e, até mesmo, consumir.

É importante também observar que o atendimento à faixa superior do chamado segmento "middle market" tende gradualmente a tomar a

forma do grande atacado. Inflação baixa, estabilidade econômica e concorrência entre instituições financeiras continuarão fazendo com que mais e mais empresas se utilizem de operações de

mercado para se financiar e também acordem mais cedo para situações de fusões e aquisições. Rapidamente, um relacionamento puramente de crédito com uma empresa de "middle market" pode

evoluir para um relacionamento de intermediação para o mercado. Por outro lado, as necessidades de forte base de capital e de busca permanente de crescimento de lucros e de menor

volatilidade desses lucros devem continuar levando as instituições financeiras a combinar inteligentemente atividades de varejo e de atacado. O exemplo recente de maior visibilidade foi a

anunciada fusão entre a Dean Witter (corretora de varejo, cartão de crédito e administração de recursos) com o Morgan Stanley (banco de investimento e administração de recursos), de certa

forma replicando o modelo Merril Lynch de atacado e varejo.

Assim sendo, tudo parece apontar na direção de que a bem-sucedida grande instituição financeira do futuro, dos pontos de

vista de satisfação dos clientes (medida por fatias de mercado) e de "shareholdes value" (medida por retorno sobre capital), deverá compreender as atividades de banco de varejo e de

atacado/investimento, em torno das quais poderão orbitar operações sinérgicas e complementares como administração de recursos, seguros e, possivelmente, outros serviços de conveniência.




Fonte: Gazeta Mercantil, 25/09/1997

Por: Fernando B. Sotelino



Voltar

Política de Privacidade | Mapa do Site